Total de visualizações de página

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Natal

 
Natal
O Natal está às portas, com as características de inevitabilidade e, ao mesmo tempo, imprevisibilidade. Com certeza, será o que Deus dele para nós quer: é graça e oferta, proposta e dom; dependerá, também, do que a gente com ele fizer: é tarefa e acolhida, resposta e missão.
Notáveis, a mistagogia espiritual, o itinerário vivencial e a pedagogia existencial que a liturgia natalina nos propõe... Os textos bíblicos da encarnação exemplificam a mais genuína “inculturação”: para os judeus, representados pelos pastores, a proclamação é feita por anjos, como ao judaísmo vai bem; para os pagãos, representados pelos magos, o anúncio é feito pela estrela, como à gentilidade convém. Uns e outros, apesar da noite escura e da vida dura ou apesar do Herodes cruel e da Jerusalém infiel, chegam a Belém e encontram “o Menino, com Maria, sua mãe” (Mt 2,10).
“Gloria Dei vivens homo” (Irineu, Adversus Haereses, IV. xx. 7), interpretou bem Irineu. Deus é glorificado quando o humano está realizado e com ele todo o universo sintonizado. Por isso, anjos e homens, judeus e pagãos, pobres e ricos, animais e plantas, estrelas e minerais, todos são incluídos na sinfonia cósmica da libertação que já é salvação. Nem é necessária muita fantasia para daí desbordar as consequências teológicas e antropológicas, sociológicas e ecológicas, políticas e éticas do nosso testemunho religioso e ministério presbiteral, para glória de Deus, em favor dos filhos e filhas seus.


“Do que serviria a vida se não fosse para corrigir os erros, vencer os preconceitos e a cada dia alegrar nosso coração e nossos pensamentos.” Romam Roland

Que neste Natal, o menino Jesus possa nascer no coração de cada ser humano, trazendo Paz, Saúde, Fé, Esperança e Caridade.
Um Santo Natal a todos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Todo o conteúdo destes Blog é livre para uso, até porque o Espírito Santo não cobra 'Direitos Autorais' ”