Total de visualizações de página

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Jesus



A PESSOA DE JESUS CONTEMPLADA NOS MISTÉRIOS DE SUA VIDA

1. Só o amor contemplativo dá acesso ao mistério da pessoa
Depois das observações que acabamos de fazer sobre a contemplação em geral, vamos analisar agora, mais pormenorizadamente, uma forma particular de contemplação: a contemplação dos mistérios da vida de Cristo.
Começamos nossa reflexão com esta afirmação: “Só o amor contemplativo dá acesso ao mistério da pessoa”. Quem é verdadeiramente uma pessoa não se conhece por meio de idéias e de análises científicas, sejam elas filosóficas ou psicológicas. Ninguém se apaixona por uma pessoa porque descobriu o nível do seu QI, ou os dados de sua personalidade recolhidos no fichário de um psicólogo, ou os números do peso e das medidas de uma jovem que ganhou um concurso de beleza. Quem é verdadeiramente uma pessoa só é revelado através de sua vida, convivendo com ela. Só os sentidos, só o coração por intermédio dos sentidos, podem perceber o que há de absolutamente original, singular, inconfundível e irrepetível num homem ou numa mulher.
Que fazem os namorados para se conhecer mais profundamente e para se enamorar ainda mais? Fazem análises e pesquisas cientificas? Absolutamente não. Simplesmente contemplam as atitudes e os comportamentos, as ações e as reações, os hábitos e as “manias” um do outro; contemplam, “saboreiam”, “curtem” os sentimentos, os afetos, os desejos que se expressam em palavras, em silêncios, em gestos. Às vezes, os gestos aparentemente mais insignificantes são os mais reveladores, fascinantes e literalmente encantadores: o modo de andar, o modo de olhar, o modo de rir, a tonalidade da voz... Não se trata de “estudar” o outro. Trata-se simplesmente de contemplá-lo. E tudo no outro é objeto de contemplação. Não só as características exteriores, como a altura e a forma do corpo, a cor da pele ou dos olhos, mas, sobretudo, os sentimentos, as emoções, os gostos, as preferências, os valores, os ideais, etc., pois são eles os que revelam de mil maneiras o mundo interior, os segredos do coração.
Só é possível chegar ao fundo do mistério das pessoas pelo caminho do amor contemplativo. Contudo, porque a riqueza espiritual das pessoas é inesgotável, o seu mistério nunca é totalmente desvelado. Ora, é justamente essa profundidade inesgotável do mistério da pessoa amada o que fascina a pessoa que ama. O que encanta e cativa na pessoa amada não é propriamente o brilho, a irradiação externa da sua beleza, mas é a luz oculta e misteriosa que ilumina de dentro e faz com que toda ela seja luminosa. “O essencial é invisível aos olhos” (Saint-Exupéry).
Essa realidade, esse mistério da relação amorosa podem ser expressos por meio de outra imagem ou constelação de imagens: as imagens da sede, da água, da fonte. As pessoas que amamos são fonte de felicidade para nós, não propriamente porque desalteram nossa sede de amor, mas porque mantêm sempre viva, sem conseguir saciá-la inteiramente, essa sede; porque a fonte na qual bebemos cada manhã continua a manar dia e noite (...) (cf. S. João da Cruz).
2. A contemplação da vida de Jesus como caminho de acesso a seu mistério
Se isso acontece nas relações de amizade e de amor humanos, acontece num grau incomparavelmente maior na relação interpessoal com Jesus Cristo. Rigorosamente falando, só a riqueza e a novidade do mistério de Jesus, só a altura e a profundidade do seu amor são inesgotáveis. É do abismo insondável do amor de Deus – que nos foi revelado em Jesus de Nazaré – que brotam todas as manifestações do verdadeiro amor humano.
A escolha dos mistérios da vida de Cristo feita por S. Inácio nos Exercícios e o modo de apresentá-los revelam uma extraordinária concentração do olhar contemplativo na pessoa de Jesus Cristo. Ela ocupa o centro de todas as contemplações, que são, por isso mesmo, todas elas cristocêntricas. O que o exercitante deve fazer durante a hora inteira de cada exercício de contemplação (...) é contemplar as palavras, as atitudes, as ações, os gestos de Jesus na cena evangélica a ser contemplada; deixar-se envolver pelo dinamismo da cena e participar dela ativamente, tendo sempre como ponto de referência a pessoa de Jesus. Na medida em que Jesus ocupa o centro do ver, do olhar e do ouvir, ocupará também o centro do coração do exercitante que vê, que olha e que ouve.
Só depois de ter feito esse exercício de contemplação com um coração aberto, receptivo, comovido, em profunda comunhão com Jesus, deverá o exercitante fazer o exercício de “refletir sobre si mesmo para tirar algum proveito”. Isto é, deverá confrontar suas atitudes e seus comportamentos, assim como os sentimentos e desejos sentidos durante a contemplação, com as atitudes, as palavras e as práticas de Jesus.
O tempo dedicado às contemplações é o tempo do “enamoramento” de Jesus, é o tempo do crescimento no “conhecimento interno”de Jesus Cristo “para mais amá-lo”. Do qual se seguirá o desejo de “segui-lo”. Em outras palavras, o tempo das contemplações é o tempo de deixar-se afetar, cativar, entusiasmar, pela pessoa, pela missão, pelo projeto de Jesus; é o tempo do amadurecimento e da concretização de opções e dos compromissos para seguir Jesus pelos caminhos que ele percorreu. Dessa inter-relação dinâmica entre os pensamentos, os sentimentos, os desejos e as decisões, entre a moção e a missão, nascem (...) a força e a eficácia dos Exercícios.
Aquele a quem for dada a graça do “conhecimento interno” de Jesus, sentir-se-á de tal maneira fascinado por Ele que estará disposto a deixar tudo para segui-lo. Não só superará todos os obstáculos encontrados no caminho do seguimento de Jesus, mas o fará “cheio de alegria”. É o que dizem, com força e concisão insuperáveis, as duas parábolas mais breves de todos os evangelhos: a parábola do tesouro escondido (...) e a parábola da pérola preciosa (cf. Mt 13,44-46). O realismo e a força dessas duas parábolas devem-se ao fato de serem autobiográficas. Elas expressam o que foi a experiência pessoal de Jesus.
O centro do olhar na contemplação dos mistérios evangélicos é sempre a pessoa do Verbo encarnado, daquele que acampou no meio de nós (cf. Jo 1,14) e passou pelo mundo fazendo o bem a todos (cf. At 10,38). É essa contemplação a que nos faz bons e a que nos faz fazer o bem. Quem contempla longamente os mistérios da vida de Jesus passa a olhar os homens, os acontecimentos, a história e toda a criação com o olhar de Jesus.
Porque a riqueza do mistério de Cristo é inesgotável, o Evangelho é quadriforme. Querer fazer dos quatro evangelhos um Evangelho uniforme é atentar contra sua riqueza, sua beleza e sua verdade. É uma profanação. Cada evangelista fixou seu olhar em determinados traços do rosto de Cristo, “ícone de Deus”. Cada traço, cada gesto desse ícone é iluminado pela pessoa daquele que é a “luz do mundo”. Nosso “encontro” com Jesus se dará seguindo o caminho iluminado por aqueles raios de luz que mais falarem à nossa inteligência e ao nosso coração, ao nosso modo de ser e à nossa história pessoal.
Não são as teorias que comovem e convertem os corações. Não são os discursos que transformam as estruturas de pecado e “tiram os pecados do mundo”. O ponto de apoio aquimedeano para mover os corações e para transformar o mundo na direção do projeto do Pai, isto é, na direção dos pobres e pecadores, dos que mais precisam de libertação-salvação, é o olhar contemplativo dos mistérios da vida de Jesus. É esse olhar que move e comove, a partir de Jesus e na direção de Jesus, o próprio coração; é esse olhar o que move a pôr-se a serviço dos outros, especialmente dos mais necessitados, no seguimento de Jesus.
Do livro de Álvaro Barreio SJ, Contemplar a vida de Jesus – Prática e frutos, São Paulo: Edições Loyola: 2002, pp. 18-22.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Todo o conteúdo destes Blog é livre para uso, até porque o Espírito Santo não cobra 'Direitos Autorais' ”