Total de visualizações de página

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

São Paulo, Eremita - Paulo de Tebas († 347dc)

 
São Paulo, Eremita - Paulo de Tebas
(† 347dc)
( A Memória de São de Tebas é em 15 de Janeiro)
São Paulo, o primeiro eremita no Egito, nasceu na Tebaida. De pais cristãos recebeu o filho educação aprimorada. Favorecidos pela fortuna, puderam proporcionar-lhe os meios para instruir-se nas ciências gregas e egípcias.
Na idade de 15 anos ficou órfão de pai e mãe e proprietário de grandes bens. O coração, porém, não lhe apetecia os prazeres do mundo; pelo contrário, sua maior satisfação era servir a Deus, na prática das virtudes cristãs. Contava 23 anos, quando a grande perseguição de Décio se estendeu também sobre a Tebaida. O inimigo não poupou esforços para afastar as almas da doutrina de Cristo.
Blandícias e torturas entraram em ação para conseguir este fim. Paulo, impressionado com o que via e, com receio de não ter força para enfrentar o martírio, fugiu para o deserto, com a intenção de lá ficar, enquanto durasse a perseguição. Penetrando mais no deserto a dentro, encontrou um dia uma grande gruta, que no tempo da rainha Cleópatra tinta servido de esconderijo a criminosos e moedeiros falsos. Paulo resolveu passar o resto da vida naquela gruta. Água receberia da fonte que lá se achava, e uma palmeira fornecer-lhe-ia alimento e folhas para cobrir-se.
Assim ficou. Quando escassearam as frutas, Deus lhe mandou um corvo, que lhe trazia pão todos os dias. Pelo espaço de noventa anos, Paulo morou naquela gruta, sem que tivesse visto mais rosto humano.
Quando contava com 113 anos, recebeu a visita de Santo Antão. Este santo varão igualmente eremita, tinha noventa anos, e julgando-se o homem mais velho do mundo com este pensamento se envaideceu. Deus lhe revelou a existência de um ente mais idoso, mais santo e ordenou-lhe que o procurasse. Sem saber para onde se dirigir, pôs toda a confiança em Deus e entrou no deserto. Tendo andado metade do dia, encontrou um desconhecido, ao qual pediu informações relativas a Paulo. O homem, sem dizer palavra, indicou com a mão a direção e fugiu. Dois dias e duas noites pisou Antão a areia do deserto, quando percebeu uma loba faminta, que fugitiva, se escondeu na gruta. Antão foi-lhe ao encalço e, penetrando mais no interior da gruta, viu-se diante da cela de Paulo. Este, vendo-se descoberto, fechou-se no esconderijo e Antão põe-se a orar, até que o eremita se resolvesse a aparecer. Depois de muito esperar, a porta se abriu e Paulo saiu da cela. Os dois abraçaram-se e apesar de nunca se terem visto na vida, chamaram-se pelo nome, reconhecendo naquele encontro uma singular permissão da Divina Providência.
Afinal achaste – Disse Paulo a Antão a quem procuraste. Estás vendo um homem que daqui a pouco será pó e cinza”. Depois pediu ao hóspede informações sobre o estado das cousas do mundo, sobre a perseguição, etc., a que Antão respondeu de modo que lhe era possível.
Enquanto dialogavam, veio o corvo e trouxe duas rações de pão. Paulo, cheio de admiração, disse:
Vê, como Deus é bom e misericordioso, mandou-nos o nosso manjar. Sessenta anos aqui estou e recebo diariamente um “pãozinho”; por causa de tua visita, mandou-me hoje ração dobrada”. Nisto os dois varões reconheceram a intervenção da Divina Providência.
Muitas horas permaneceram em colóquio e a noite passaram em oração. No dia seguinte disse Paulo ao companheiro: “ Há muito tempo sabia eu que moravas nesta redondeza. Estando eu no fim da minha vida, Deus te mandou, para dar sepultura ao meu corpo”. Antão se entristeceu com estas palavras e pediu ao santo eremita que, indo para o céu, o levasse consigo.
Este, porém, respondeu: “ É da vontade divina, que tu fiques ainda algum tempo no mundo, para o bem daqueles que te veneram como mestre”. Pediu então a Antão que fosse buscar o manto, que tinha recebido de Santo Atanásio, para nele lhe envolver o corpo depois de morto. Assim fez, para que Antão, não fosse testemunha da sua morte para mostrar e para mostrar o grande respeito que tinha ao grande Bispo, que tanto sofrera em defesa da fé.
Antão foi apressadamente cumprir a ordem do santo eremita. A pergunta dos Irmãos de hábito, onde se tinha demorado tanto, respondeu: “Ai! De mim, pobre pecador, que mui injustamente levo o nome de monge! Vi Elias, vi S. João no deserto, vi Paulo no Paraíso”. Nada mais falou. O medo de não mais encontrar com vida o eremita Paulo, não o deixou demorar-se no convento. Tomou o manto de Atanásio, e com ele pôs-se a caminho para a gruta. Antes de chegar, viu a alma do santo varão, rodeada de grande esplendor, subir ao céu, acompanhada de Anjos, Profetas e Apóstolos.
Impressionado com a visão, continuo a jornada, até chegar à morada de Paulo. Ao entrar na gruta, um quadro singular se lhe deparou. Lá estava Paulo, de joelhos, com os braços em cruz, a cabeça elevada ao céu – imóvel. Si Antão, ao principio, julgava ver o santo homem em oração, logo se convenceu de que tinha um cadáver diante de si. Imediatamente dispôs o necessário para dar sepultura ao defunto. Envolveu o corpo do companheiro no manto de Santo Atanásio, como desejará. Para fazer uma cova, viu-se embaraçado, visto que não existia instrumento nenhum, com que pudesse remover a terra. Deus veiu-lhe em auxilio. Da floresta próxima vieram dois leões, os quais com grandes uivos se deitaram aos pés do cadáver; depois de terem assim dado sinal de gratidão, escavaram na terra uma abertura assas larga e funda, para nela poder-se sepultar o corpo do Santo Eremita. Antão rezou sobre o defunto e sepultou-o.
A única roupa que Paulo possuía, uma túnica feita de folhas de palmeira, Antão levou-a como lembrança preciosa e dela se servia só nos grandes dias de festa.
São Paulo, segundo o cálculo de São Jerônimo, morreu no ano de 347, tendo a idade de 113 anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Todo o conteúdo destes Blog é livre para uso, até porque o Espírito Santo não cobra 'Direitos Autorais' ”