Total de visualizações de página

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O EIXO DE TODA ORAÇÃO - “Venham repousar num lugar deserto”

A Oração Contemplativa:

São muitas as maneiras de relacionar-mos com Deus: dizer orações, decoradas ou espontâneas, louvar, agradecer, pedir graças”. Refletir, ler a Bíblia, dizer jaculatória.

Por vezes, a mente cala e o corpo toma a frente na oração: juntamos as mãos, ajoelhamo-nos, contemplamos o Senhor através de um símbolo, acendemos velas, e queimamos incenso. Tudo isso tem valor, pois leva Deus a sério como parceiro de caminho e vida.

Calar as vozes do corpo, da mente e dos sentimentos para nos abandonar à ação amorosa de Deus presente no mais íntimo de cada um de nós. Variam os nomes e explicações para esta entrega: contemplação, oração centrante, meditação cristã, oração no nome de Jesus (oração do peregrino), oração receptiva, oração dos pobres. Essencialmente é a mesma oração, que ativa o gosto de contemplar a Deus.

É a contemplação ao alcance dos simples, de não alfabetizados e de todos os que buscam relacionar-se com simplicidade, não centrando a atenção da auto-suficiência proveniente  das letras e dos estudos.
Dispensa leituras prévias, mesmo da Bíblia, e tudo mais que atinge a mente e a imaginação.

Dar a deus o primeiro lugar é o essencial, deixando-lhe a iniciativa para “mexer” conosco do modo como Ele achar melhor.

É o silencio a indispensável mediação. O silêncio como expressão da entrega confiante ás mãos do Pai.
Desde sempre, nas tradições religiosas das culturas de todos os tempos, é o silêncio que mentem aberto o coração humano à ação do Criador.

Para compreender a importância do silêncio, lembramos como funciona uma roda. Os raios representam diversas modalidades de oração. O Silêncio é representado pelo eixo, que garante o sentido das demais orações, alertando a consciência humana para o valor da graça que é a ação do Espírito Santo.

Também em Jesus, o silêncio é o cerne das suas orações, vivenciando a comunhão com o Pai, entregando-se à ação do Sopro Divino. Por isso esta forma é chamada de “oração de Jesus”, por Cassiano, monge do deserto(século III/IV).



O Cerne da questão:

A oração contemplativa é em si para todos. Não é preciso ter carisma ou inclinação especial. Dá certo em todos os jeitos de ser gente.
Em todos os temperamentos. Precisa só querer e experimentar.
Dar tempo e espaço para calar-se.

Já que somos corpo e alma, são duas as formas de silêncio: a do corpo e outra da alma. O silêncio físico se faz pelo aquietar-se, afrouxando e relaxando olhos,
Boca, mãos e demais partes do corpo. Sistema nervoso sem tensões, coluna ereta, sentado de modo que o assento acolha confortavelmente o peso do seu corpo. Evite deitar-se porque facilmente se cai no sono. Falo do que habitualmente favorece mais a contemplação. Tudo é relativo.

Para a vivência do silêncio da alma é outro o recurso ao nosso alcance, uma novidade para a maioria das pessoas. Trata-se de escolher uma única ‘palavra santa’, também chamada de ‘palavra do amor’ ou ainda ‘palavra sagrada’. Uma palavra de uma sílaba ou duas no máximo, como por exemplo: ‘Abba”, Pai, Jesus, shalom, etc,. Não é para pensar no seu conceito, ou seja o que ela significa. Repetindo o nome santo com calma e em certa cadência, mentalmente ou bem baixinho, ela ajuda a você a afastar pensamentos, preocupações, devaneios, distrações, tentações, calando a tagarelice da imaginação e da fantasia. Nestes momentos, pensamentos mesmo santos, trate-os como distração, e mudo(a) serenamente, volte à repetição da ‘palavra sagrada’.

A concentração é resultado do hábito diário de contemplar. Não é bem você que se concentra. Pelo silêncio do corpo e da alma, você sai de si mesmo, com suas preocupações, emoções, pensamentos em torno do seu eu, e deixa o Espírito Santo trabalhá-lo por dentro.

Você não é convidado a conseguir fazer uma correta contemplação entendendo-a como ‘parar de pensar’, ‘concentre-se’. Desista de fazer as coisas  por você mesmo. Não insista em querer ter o controle. Quanto mais você se esforça, mais você se embaraça. Trata-se de sua parte, de desacelerar as funções da mente, do corpo e dos sentidos. Tudo o mais acontecerá fluindo.

Você  descobrirá aos poucos o prazer de contemplar, incorporando-o ao ritmo do seu dia-a-dia. O Sopro de Deus vai agindo em você da maneira mais adequada  para você agir como pessoa, na situação em que está neste momento. Lentamente vai-se consolidando  o hábito de você sair do seu eu para encontrar-se mais consigo mesmo e entregar-se confiadamente ao Pai.

Não procure avaliar o processo da contemplação. Não temos parâmetros para isso. Vitalizar, recriar, renovar é especialidade do Espírito Santo. Deus mesmo vai fazendo o bem de tal modo que você se surpreenderá com a colheita dos frutos. É ai que você constata que bens o contemplar lhe traz. Nossa contribuição é manter-nos receptivos. É, pois, uma experiência que nós recebemos, não fazemos. Instruções ajudam, mas não transmitem o essencial.
Muita gente tem desistido do integrar esse exercício à vida porque querem se satisfazer só por explicações E dizem: “Ah! Isso eu já conheço, andei lendo bastante. Não da para mim”. Ou ainda: “não consigo realizar essa oração. Meu pensamento vai, e volta”. Contemplação ou se faz ou não se sabe.  Só vale enquanto experiência. Todos somos chamados a renascer pela força de Deus.
“A arvore se conhece pelos frutos”. Não confie em elaborações complicadas.
O Mestre está dentro de você desde o seu batismo. Ele o chama para renová-lo. Com perseverança, a pratica da contemplação vai apurando seu perfil especial, de acordo com seu segredo pessoal de ser gente.

O Espírito Santo purifica a mente e o coração, e liga e restabelece, fortifica o nosso contato com a fonte divina. Esta fonte nos torna mais criativos, cuidadosos com o nosso ser. Mostra-nos, os atalhos perigosos e enganosos, reconduzindo-nos ao caminho da felicidade, que é Jesus. Não se trata de produtos imediato, mas de um processo vital que vai trazendo mais paz, mais calma interior, crescente integração de seus valores pessoais, melhor relacionamento e integração com as pessoas. Você passa a gostar mais, sentir mais, produzir mais, ser mais. Santa Teresa de Jesus escreve: “Sem sentir que faz você faz”. Amadurece uma atitude, um estado de leveza, não alterado por problemas circunstanciais. A própria perspectiva da vida vai-se alterando para melhor.

Quando contemplar?

Dê preferência a vivenciar a contemplação no inicio do dia, antes do café, ou no fim do dia, antes da ceia. Antes de dormir não é a melhor hora. Dá mais fruto se você conservar a freqüência, continuidade, regularidade, não demorando mais que meia hora, e não menos de vinte minutos. Recomendo que no inicio, você leve para o seu local de oração um relógio para o seu local de oração. Isso não quer dizer que você vá se preocupar extremante em cumprir o horário, o que lhe causaria distração, e até irritação, que prejudicaria o bom ato da oração. Ele servirá apenas para uma avaliação pessoal. Sê no inicio for muito pesado, diminua o tempo, e aos poucos acostume-se a cumprir o normal. Persevere, não desista. Como o atleta para ficar em forma , com energia plena, nós diariamente devemos dedicar-nos a este exercício da alma. Todas as nossas atividades vão se tornando mais frutuosas, ordenadas e fáceis à medida em que vamos praticando-a. Não está em jogo isso ou aquilo, mas a totalidade de sua pessoa, que junto é forte, o Espírito Santo, vai sendo remodelado  no jeito adequado de você ser. (Ler Gen – 16-25).



Lugar Ideal:

Qualquer lugarzinho silencioso, onde você não seja incomodado. Sei que nos temos “modernos” que vivemos, a agitação da vida atual, limita sobremaneira a conquista deste lugar, mais enfatizo aqui a importância de escolher bem. Com o tempo esse caminho vai sendo  sinal de quietude e paz. Casualmente, não sendo possível estar nesse ‘santuário’, onde quer que você esteja, feche os olhos e se imagine ali no seu lugar habitual de contemplação, isso vale esmo viajando pelas águas e pelos ares. Assim, você é ajudado efetiva e afetivamente a recolher-se. Seu lugar predileto o acompanha, condicionando-o a um melhor recolhimento. “Em silêncio abandona-te nas mãos do Senhor. Põe tua esperança nele. Confia nele, e ele agirá. Esperar não é controlar. É deixar-se levar pela mão de Deus. Espera atento aquilo que há de vir. Se entrega ao modo de ele operar”(Ir. Maria Emilia Guerra).

Você poder[á pedir inspiração ao Espírito Santo através de uma oração pessoal criada por vê. Sugiro que antes da contemplação você ore assim:

Ó Divino e oculto amigo, sinto que falho muitas vezes na oração e na vida, mas me alegro em saber que bem dentro de mim tu oras ao Pai.
Dâ-me a graça nesta hora de ficar quieto(a), entregue aos teus cuidado,
Aberto ao teu amor e, assim, deixar-me levar por teus caminhos.
Relaxa meu corpo, acalma minha mente,
Tranqüiliza meu coração,
Para que possas trabalhar-me do jeito que tu desejas. Amém.


A oração no jeito acima deixa transparecer o nosso jeito de contemplar. Buscamos apenas o relacionamento puro e natural do nosso ser com o Ser de Deus, deixado-nos amar e alimentar pelo Espírito santo, como um bebê em paz suga o leite do seio de sua mãe. “Deixemos Deus habitar e se tornar dentro de nós a realidade que vai dando sentido e forma a tudo que somos e fazemos.”

Para maior glória de Deus. Amém




Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Todo o conteúdo destes Blog é livre para uso, até porque o Espírito Santo não cobra 'Direitos Autorais' ”